Subcisão

Essa técnica foi descrita em 1995 como alternativa cirúrgica para rugas e cicatrizes deprimidas da pele. Posteriormente, em 1997, passou a ser utilizada no tratamento de celulite e sequelas de lipoaspiração.

É uma cirurgia subcutânea, sem incisão e realizada em consultório. É um procedimento simples e seguro.

Com uma agulha introduzida na pele, são rompidos os septos fibrosos subcutâneos (“traves de fibrose” que puxam a superfície cutânea para baixo).

O número de sessões necessárias dependerá do tamanho, profundidade e localização do defeito, além da resposta individual de cada paciente.

No pós-procedimento é normal a formação de hematomas. Além dos septos fibrosos, vasos subcutâneos são rompidos e levam ao sangramento e a formação de hematomas. A formação de hematoma é importante para o resultado pelo estímulo na produção do colágeno novo que preenche o local tratado e confere um aspecto de relevo mais uniforme à pele.

Como a produção de colágeno é lenta, além da melhora imediata pela ruptura dos septos fibrosos há uma melhora progressiva em alguns meses (em geral 3 meses) após o tratamento pelo aumento de colágeno local.

PRINCIPAIS INDICAÇÕES

Pode ser utilizada para correção de celulite de grau avançado, cicatrizes deprimidas e outras alterações no relevo da pele.

CONTRA-INDICAÇÕES

É muito importante uma avaliação criteriosa por um dermatologista ou cirurgião plástico experiente na indicação dessa técnica, já que se mal indicada pode levar a piora da cicatriz ou do defeito.

Outras contraindicações seriam antecedentes pessoais tais como: queloide, tabagismo, infecção ativa no local, doenças sistêmicas não controladas e expectativas irreais do paciente em relação ao procedimento.

PÓS-PROCEDIMENTO

É normal ocorrer inchaço e hematomas nos locais tratados. Orienta-se evitar atividades físicas por 10 a 15 dias dependendo da extensão do procedimento, assim como evitar exposição solar enquanto os hematomas estiverem visíveis na pele do paciente.

COMPLICAÇÕES

As complicações (manchas, cicatrizes, infecção) são raras quando a subcisão é realizada de forma correta e com indicação precisa. No entanto, podem ocorrer quando mal indicadas ou realizadas de forma incorreta.

As orientações médicas devem ser seguidas pelo paciente afim de evitar tais complicações.